“Olheiros” dos Olhos de Água alvo de estudo pioneiro do LNEG

Impacto das descargas de água doce subterrânea no mar em foco

Qual a importância das descargas de água doce, subterrânea, em meio marinho é a questão central de um estudo pioneiro a nível nacional que está a ser realizado tendo como área de estudo a zona de Olhos de Água, em Albufeira. Em outubro, os cientistas querem avançar com uma nova vaga de estudos com níveis de profundidade mais acentuados

O Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG) está a realizar um estudo sobre as descargas de água doce em meio marinho que vai ter como caso de estudo a zona dos Olhos de Água, em Albufeira. “Desde longa data, os pescadores comentavam a existência de «olheiros», em frente aos Olhos de Água, em Albufeira, por vezes tão fortes que desviavam os barcos”, recorda a geóloga responsável por este projeto designado por FREEZE, Gabriela Carrara. De acordo com os dados introdutórios do estudo, estas descargas “ocorrem num nível de calcários carsificados do Miocénico superior, associado ao aquífero de Albufeira – Ribeira de Quarteira”. Estes fenómenos também foram relatados em diversas ocasiões por turistas e elementos da comunidade científica tendo sido assim escolhido o local para avançar com este estudo pioneiro a nível nacional “e dos poucos que se realizam no mundo” nesta área.

“Estas águas substancialmente diferentes da água do mar, transportam elementos como a sílica e o fósforo, entre outros, que provavelmente sustentam ecossistemas particulares do ponto de vista da biodiversidade”, explica a especialista.

Até agora, os estudos realizados nesta área têm-se debruçado ora em terra até à costa ora desenvolvidos no mar. Desta vez, a equipa de investigação propõe-se fazer um estudo completo que vai seguir "os fluxos subterrâneos desde terra até à plataforma marinha".

Para que seja conseguida uma compreensão mais completa deste fenómeno, a equipa de investigação é composta por geólogos estruturais, geólogos marinhos, hidrogeólogos, geoquímicos, oceanógrafos e biólogos.

O Instituto Superior Técnico, a Universidade do Algarve (UALg), o International Center for Coastal Ecohydrology da UALg e o Instituto de Oceanografia da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa são parceiros do LNEG neste projecto, que é financiado por fundos estruturais da União Europeia e fundos nacionais.

Iniciado em 2010 e com término marcado para o final de 2012, o projeto já tem alguns estudos iniciais concluídos. "Já foram adquiridos dados de batimetria, sísmica de alta resolução, sonar de varrimento lateral, hidrogeologia e biologia que atualmente estamos a processar e a integrar", explicou Gabriela Carrara. "Para outubro, estamos a projetar uma nova campanha para investigação da zona mais profunda da plataforma". Alguns dos estudos técnicos realizados visam confirmar a hipótese de que as Descargas de Água Doce Submarinas podem ter origem em 50 a 70 metros de profundidade e o modo como se distribuem na zona profunda.

Os cientistas esperam que os resultados deste estudo possam ajudar no trabalho de gestão dos aquíferos litorais e na manutenção do equilíbrio dos ecossistemas que são geridos. "Um dos objetivos principais é o desenvolvimento de uma metodologia reprodutível e aplicável a todo o território nacional, investigação essa que gostaríamos de desenvolver no futuro em colaboração com as autarquias e autoridades costeiras", explicou Gabriela Carrara.

 

in Jornal do Algarve - Principal a 15-09-2011

Pesquisar nesta área