Museu Geológico
Exibição do filme "O Cão de Muge – um amigo pré-histórico"
Uma história de zooarquealogia

5 de dezembro, pelas 17h00, no Museu Geológico de Lisboa

O designado "Cão de Muge" foi encontrado durante as escavações arqueológicas dos Concheiros de Muge, conduzidas por Carlos Ribeiro, diretor da Comissão Geológica do Reino, na década de 1870.

Trata-se do esqueleto quase completo de um cão doméstico, com cerca de 7600 anos, o mais antigo da Península Ibérica, que integra o riquíssimo espólio arqueológico dos concheiros de Muge, grande parte exposta no Museu Geológico do LNEG.

O filme procura reconstituir o ambiente em que o cão viveu e morreu, como companheiro estimado pelos habitantes que habitavam na margem do Tejo, durante o período Mesolítico.

Sinopse do filme:

Este filme de animação digital reflete a feliz fusão entre o cinema e a ciência. Conta a história de um cão com cerca de 7.600 anos. O mais antigo de que há registo na Península Ibérica. O seu esqueleto foi encontrado por arqueólogos no final do século XIX em Muge, Portugal. Mais recentemente foi alvo de um estudo detalhado com as mais avançadas tecnologias ao dispôr: de datação por radiocarbono, de análise de isótopos, de genómica e de imagiologia, que permitiram a interpetação da sua vida e morte. Esta é uma história de zooarqueologia.
 

Cartaz do filme "O Cão de Muge - um amigo pré-histórico"

Pesquisar nesta área