Encontro EFINERG promove gestão energética em empresas

Em foco estiveram questões sobre “Gestão de energia e ecodesign”

 

Sob o lema "Dê luz verde à poupança energética na sua empresa", o Programa EFINERG, promovido conjuntamente pela Associação Empresarial de Portugal (AEP) e o IAPMEI, está a sensibilizar gestores e empresários para a gestão racional da energia enquanto fator de competitividade nas empresas.

Este segundo encontro pôs o foco sobre as questões da "Gestão de energia e ecodesign" e resultou numa sessão esclarecedora para os vários setores envolvidos, nomeadamente o metalomecânico, agroalimentar, têxtil e vestuário, cerâmica e vidro, madeira, mobiliário e cortiça.

Um dos convidados foi Carlos Gaspar, diretor da CMFG e especialista em auditorias energéticas, que explicou serem estes processos abrangentes pois vão desde a recolha da informação e do seu tratamento até à ação consequente. Ou seja, na sua óptica, “a energia deve ser encarada como fator de produção” e, por isso, deve ser-lhe dedicada uma atenção objetiva por forma a que a gestão energética seja facilmente usada como instrumento para a gestão da própria empresa. “Se a gestão da energia for complicada tenderá a ser descurada”, apontou Carlos Gaspar, a propósito da forma como muitas empresas ainda encaram a utilização energética.

O orador seguinte foi o investigador sénior do Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG) Paulo Partidário, que apontou igualmente para a explicação e a descomplicação, mas a propósito do design e da importância que lhe é (ou não) atribuída. Paulo Partidário, que dá particular atenção às temáticas de ambiente e sustentabilidade, esclareceu desde logo o significado da palavra e do conceito de ecodesign que, basicamente, é a preocupação no desenvolvimento de produtos ou serviços que reduzam a utilização de recursos não-renováveis e/ou minimizem o seu impacto ambiental.

Mas, além de uma tendência social e de consumo, o ecodesign “deve também ser encarado como um componente que integra valor no produto”, defendeu o investigador, evidenciando assim as vantagens diretas que tal entendimento traz para uma empresa.

Paulo Partidário debruçou-se ainda sobre a presença do fator ecodesign na rotulagem, sobre a Diretiva 2009/125 CE com que o Parlamento Europeu e o Conselho da União Europeia redefiniram os “requisitos de conceção ecológica dos produtos relacionados com o consumo de energia”.

O próximo encontro é dedicado à "Produção e utilização de calor" e tem lugar no Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal (CITEVE), em Famalicão, a 27 de Março, sendo oradores os especialistas Rui Martins (CITEVE) e Artur Serrano (CTCV-Centro Tecnológico da Cerâmica e do Vidro).

In www.ambientemagazine.com a 19 de março de 2012

Pesquisar nesta área