"Casas em Movimento" avança com apoio do QREN

Com a aprovação do financiamento, o projecto entra na segunda etapa, de investigação e desenvolvimento.

O projecto português "Casas em Movimento" conseguiu o apoio financeiro do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), o que permitirá avançar com a funcionalização do conceito, o desenvolvimento das soluções e a sua demonstração através da construção de um protótipo.

O conceito casas em movimento "assenta na capacidade de interagir com a envolvente, com as variações de luminosidade ao longo do dia e fundamentalmente com a alteração da dimensão dos 'espaços vivos', que se adaptam as rotinas do utilizador e desenhados pelo sol", explica Manuel Vieira Lopes, o arquitecto autor do projecto. Desta forma, as casas movimentam-se de acordo com a orientação solar, à semelhança dos girassóis, com o objectivo de conseguir uma maior eficiência  energética e também de economia de meios/recursos, através dos movimentos de rotação combinados e translação.

O projecto português, nascido na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, foi um dos 20 seleccionados a nível mundial que participou na edição de 2012 da Solar Decathlon Europe, que teve lugar em Madrid, em Setembro passado.

Com a aprovação do financiamento, o projecto entra na segunda etapa, de investigação e desenvolvimento, coordenada por Vieira Lopes e da qual fazem parte os parceiros: Casas em Movimento, conceito "cem" arquitectura viva; LNEG - desenvolvimento de soluções de eficiência energética e sustentabilidade; INEGI - sistema de movimento e rotação da casa, permitindo criar espaços vivos que se adaptam às rotinas dos ocupantes; INESC Porto - desenvolvimento de soluções de automação e sensorização; Martifer Solar - desenvolvimento de soluções de armazenamento para energias renováveis; Prio.Energie - mobilidade eléctrica; Tekever - introdução de inteligência artificial; e a construção de um protótipo demonstrador.

No total, esta segunda fase representa um investimento de pouco mais de 806 mil euros, dos quais cerca de 439 mil serão subsidiados a fundo perdido pelo QREN.


Fonte: edificioseenergia.pt | 10 de setembro de 2013


 

Pesquisar nesta área