CANHOES - Transporte de Sedimentos nos Canhoes Submarinos de Setúbal e Lisboa

resumo

Os sedimentos erodidos provenientes tanto do continente como da plataforma continental são transportados para as planícies abissais através de canhões submarinos. A estimativa do balanço entre o material depositado entre os estuários / áreas da plataforma e as planícies abissais, e o que se perde ao longo do trajecto, será feito por comparação entre as sequências sedimentares dos estuários do Tejo e Sado / áreas da plataforma continental adjacentes e da Planície Abissal do Tejo (dados publicados). Esta abordagem não constitui uma tarefa fácil, apresentando-se no entanto, como um desafio.A área de estudo é o sistema de canhões submarinos de Setúbal e Lisboa que confluem por volta dos 1800 m de profundidade. Neste trabalho são utilizados metais pesados e isótopos de chumbo como indicadores da origem dos sedimentos finos depositados em ambos os canhões submarinos e no seu segmento comum. Além disso o estudo da variação temporal e espacial destes indicadores permitirá avaliar a extensão dos impactos antropogénicos de áreas altamente povoadas e industrializadas (estuário do Tejo e Sado, e áreas da plataforma continental adjacentes) aos sedimentos dos canhões submarinos. Os sedimentos uma vez depositados podem ser remobilizados e transportados de novo por correntes de fundo ou da vertente. O intenso afloramento de massas de água sub-superficiais característico da margem portuguesa, pode eventualmente diminuir a deposição de metais pesados na plataforma continental e canhões submarinos. Esta hipótese necessita de ser verificada. São tarefas de crucial importância para a concretização deste projecto a execução de uma cronoestratigrafia rigorosa, a caracterização das facies sedimentares, a estimativa de fluxos, e a correlação de unidades individuais ao longo dos canhões e identificação de canais preferenciais de corrente. Os episódios turbidíticos e avalanches submarinas que ocorrem esporadicamente, podendo ser induzidos por sismicidade, por variações do nível do mar a pequena escala, ou por instabilidade da vertente e das paredes dos canhões, são responsáveis pelo transporte de grande quantidade de sedimentos para o fundo, o qual poderá causardanos dispendiosos ou irreparáveis em cabos de telecomunicações submarinos que podem ser evitados se a frequência destes eventos for prognosticada como é nosso objectivo. Os 17 cores disponíveis para este estudo, estão localizados ao longo do eixo dos canhões, tendo sido colhidos no decorrer de 4 campanhas oceanográficas realizadas em anos consecutivos (Canyons 2002, 2003, 2004 e 2006) a bordo do navio oceanográfico Pelagia. Os registos sedimentares abrangem em algumas situações os últimos 200 anos.

 

Fonte de Financiamento:

Fundação para a Ciência e a Tecnologia

 

 

 

Pesquisar nesta área