SCARPS - Reconstruction of the shoreline position along the Portuguese coast over the last 6000 years - Analysis of the architecture and stratigraphy of sand barriers

resumo

A linha de costa de Portugal é dominada por campos dunares e longas praias. Estas grandes acumulações sedimentares parecem ter sofrido diferentes fases de evolução ao longo do Holocénico, como consequência de alterações nos principais factores forçadores presentes neste período: oscilações do nível do mar, acarreio sedimentar e variações climáticas. No entanto, o início destas fases continua mal documentada. As escassas referências ao desenvolvimento das barreiras arenosas, bem como a configuração da linha de costa actual são provenientes da análise do registo sedimentar em lagoas costeiras e estuários. Estes resultados sugerem a formação de barreiras incipientes à 6500-5500 anos BP, na sequência de uma desaceleração da subida do nível do mar. Durante este período o acarreio sedimentar para o litoral terá sido suficiente para permitir o crescimento de barreiras capazes de acomodar a concomitante subida do nível do mar. A evolução da linha de costa durante esta época dependeu da relação entre a subida do nível do mar e o acarreio sedimentar, que pode ter uma forte variação local. É amplamente aceite que a esta primeira fase de progradação da linha de costa se seguiu, aos 2500 anos BP, uma nova fase de progradação como consequência de um aumento generalizado no acarreio sedimentar. Posteriormente, novas fases de transgressão ou recuo e de progradação da linha de costa moldaram o litoral português, embora as referências a este fenómeno sejam escassas e dispersas. A falta de conhecimento acerca da evolução da linha de costa durante o Holocénico Médio e Superior aparece também associada à falta de consenso da comunidade científica sobre a curva de variação do nível do mar na região.

Este projecto tem como objectivo reconstruir a evolução sofrida pela linha de costa durante o Holocénico Superior, como consequência de alterações relativas nos factores que controlam as suas tendências evolutivas. Em primeiro lugar, a reconstrução da linha de costa centrar-se-á em tres sectores diferentes da costa portuguesa (Quiaios-MiraCaparica and Tróia), os quais vão ser analisados em detalhe e de forma independente. Posteriormente, os resultados serão comparados de forma a poder distinguir os eventos locais dos eventos regionais. Este objectivo principal será abordado da seguinte forma: (1) reconhecimento das principais fases da evolução da linha de costa ao longo da costa portuguesa, através da reconstrução de paleo-linhas de costa a partir da estrutura interna das barreiras arenosas seleccionadas, (2) integração das paleo-linhas de costa identificadas num contexto cronológico, através da datação das principais superfícies estratigráficas, e finalmente (3) identificação das principais superfícies estratigráficas desde a praia submarina até à plataforma continental contigua e análise da sua evolução, de modo a poder relacionar os processos sedimentares que ocorrem nos sectores emersos e submersos do litoral. Os resultados deste projecto produzirão uma base de dados importante para o avanço da reconstituição das variações do nível do mar e para a identificação e compreensão dos factores globais ou locais que controlaram a posição da linha de costa durante o Holocénico Médio e Superior.

Pesquisar nesta área
Temas relacionados