FRAME - Sistemas prefabricados para edifícios de baixo consumo: design, modulação, prototipagem e testes

resumo

O aumento do consumo de energia, a diminuição dos recursos naturais e os custos crescentes da energia irão ter um impacto significativo no padrão de vida das gerações futuras. Nesta situação, o desenvolvimento de fontes de energia alternativas para edifícios residenciais e não residenciais é uma prioridade.O design de soluções económicas e energeticamente eficientes integradas em edifícios, capazes de lidar com os desafios do clima de verão e inverno apresenta-se como uma meta ambiciosa. A Autoridade Europeia do Livro Verde para uma estratégia europeia de segurança do aprovisionamento energético estabeleceu como meta a duplicação das energias renováveis de 6% em 1996 para 12% em 2010, com novas metas, na Directiva-Quadro da Energia Renovável, de 20% até 2020. Adicionalmente, em Maio de 2010, a reformulação da directiva relativa a edifícios de desempenho energético zero veio fixar metas de desempenho energético para todos os edifícios novos. Assim, a integração de sistemas fotovoltaicos em edifícios torna-se imperativo neste contexto. Este projecto pretende desenvolver módulos pré-fabricados os quais incluem PCM e PV, com o objectivo de melhorar as condições térmicas no interior dos edifícios, reduzindo a necessidade energética, através da geração de energia elétrica direta, solar térmica, contribuindo ainda no armazenamento de energia em edifícios residenciais e não residenciais. Neste projecto, serão desenvolvidos dois tipos de módulos pré-fabricados (com e sem capacidade de armazenamento de calor) para integração em módulos fotovoltaicos. Este estudo tem dois objectivos fundamentais: (1) melhorar o conforto térmico interior, reduzindo-se ao mesmo tempo a necessidade de energia do edifício e, (2) segundo melhorar a eficiência do sistema fotovoltaico, limitando o aumento da temperatura no sistema. Estes dois objetivos podem ser alcançados através da ventilação do espaço de ar atrás do módulo fotovoltaico, sendo o calor liberado no processo de conversão PV recuperado com sucesso para o aquecimento interior do edificio (BIPVT), ou usando PCM para regular a diferença de temperatura interior-exterior e estabilizar rapidamente a temperatura dos módulos PV (BIPV/PCM).

Pesquisar nesta área